Marianne
Louco sempre foi aquele que fez coisas diferentes. Louco sempre foi aquele que esteve azul quando todos queriam ser verde. Louco é o individuo que não está de acordo com a normalidade da sociedade. – Eu sou louca.
A maioria das pessoas se desesperam quando estão tristes, enquanto eu paro, sento na beira da minha cama e fico questionando e analisando o sentimento de tristeza em mim e noto que não é desagradável, é somente um estado que impede que minha face expresse uma fisionomia oposta daquilo que sinto no momento e então quando menos espero, já não há mais tristeza, pois quando a descrevi para mim mesma, quando tive consciência dela, ela se limitou, se foi. Algumas coisas, ás vezes quase todas, não são e nem estão da maneira do nosso gosto, mas isso não me matou, não importa quantas metáforas eu use para descrever a dor sentimental de perda e de desgosto, elas não foram capazes de me fazer parar e a importância real está nisso.

A sociedade não sabe lidar com indivíduos indiferentes á ela, eu busco ser indiferente propositalmente, porque não gosto quando as pessoas aprendem a lidar comigo, é como se eu fosse manipulada 100% em tudo, meus pais sabem lidar comigo, sou escrava do amor deles e gosto e odeio, porque é um amor que é tão intenso, capaz de reduzir em um segundo todo o meu ser em pó. Lembro certa vez aos seis anos quando li o livro de Apocalipse 3, no versículo 15-16, uma passagem que era: “Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca.” Na época da ingenuidade, talvez nem tanto comparada com das outras crianças, eu acreditei que eu deveria ser o extremo de todas as coisas, o extremo positivo ou o extremo negativo e enfim o resultado foi uma formação moralista doentia. Mas agora, se Deus (anulando minha visão agnóstica) viesse em matéria e me falasse isto eu pediria para ele me vomitar, pois sou morna, não defendo e nem carrego nenhuma bandeira, não sigo uma multidão, não luto mais por uma verdade absoluta.

E se me perguntares qual é o sentido da existência a minha resposta seria “não há sentido, tudo é um acidente”. Digo acidente no sentido de inevitável e também trágico, por ser algo que até onde meu conhecimento alcança, não é algo que se escolhe.

Se existo, existo para me entender, visto que tudo o que procuramos mesmo inconsciente é conhecer, mesmo quando ainda não completamos um ano de idade, queremos tocar tudo, cheirar, morder, todos os nossos sentidos pedem para serem sentidos e então uma parte do nosso conhecimento é essencial ser empírico.

Conhecimento, seria a minha motivação existencial do princípio ao fim. E por isso eu sou louca, porque eu não me alienei totalmente ao consumismo da massa, nem ao conformismo mundial, ou melhor, universal. Sou louca porque penso, percebo, questiono e... Existo.
Pensadores | edit post
Notas 
0 Responses

Postar um comentário