Marianne
Assistindo uma série inglesa chamada Skins, não pude deixar de focar a atenção em um diálogo da personagem Cassie com sua professora, como usar de um problema pessoal para ter poder sobre as outras pessoas e conseguir o que quer de maneiras fáceis, mesmo que isso nos leve á autodestruição. E logo, a tentativa da pessoa que busca entender o que se passa dentro de si, fazendo o uso da dor e a impossibilidade que temos em evitar que as coisas ruins aconteçam.

Professora: Então, você vai escrever alguma coisa?
Cassie: Eu não tenho certeza.
Professora: Sobre o quê?
Cassie: Quanto tempo eu posso esperar para escrever e ainda assim tirar 10.
(...)
Cassie: É possível aproveitar o poder de verdade?
Professora: O quê?
Cassie: É a terceira questão.
Professora: Eu não posso te ajudar com a sua prova.
Cassie: Eu parei de comer e então todos tiveram que fazer o que eu dizia. Isso me deu poder.
Professora: E você aproveitou?
Cassie: Eu acho que foi a época mais feliz da minha vida. Mas eu tive que parar antes que eu morresse por que... Senão não seria divertido. Você não entenderia.
Professora: Você está errada, Cassie.
Cassie: Você também se cortava?
Professora: As pessoas fazem qualquer coisa... As pessoas fazem qualquer coisa para saber por que elas se sentem mal. Não é verdade?
Cassie: E você? Conseguiu?
Professora: Como eu disse, eu não devo ajudá-la com a sua prova.
Cassie: Eu quero que você me diga.
Professora: O quê?
Cassie: Como impedir que coisas ruins aconteçam.
Professora: Não funciona, não é? É por isso que você tem que começar a comer de novo.
Cassie: Eu me apaixonei.
Professora: Ah! Amor. Porque se cortar quando você pode estar amando?
Cassie: Você acha que passar em uma prova vai me fazer feliz?
Professora: Cassie, passar na prova normalmente faz a vida ficar mais complicada. Mas há muitas outras coisas que fazem a vida ficar suportável. E você nem precisa usar uma faca.
Cassie: Como?
Professora: Música!

Então elas começam a dançar na sala e Cassie conclui seu teste de Filosofia.
Pensadores , | edit post
Notas 
0 Responses

Postar um comentário